EUA e RU: A Pinterest desiste das suas marcas “PIN”

A empresa de rede social Pinterest, conhecida por permitir que os seus utilizadores visualizem, publiquem e organizem conteúdos, criando pins no seu mural, perdeu duas disputas legais, uma no Reino Unido, e outra nos Estados Unidos da América. Os processos tinham como objetivo fazer com que as empresas cessassem de utilizar a palavra "pin" nas suas aplicações de software.

Os processos supramencionados giraram em torno de uma start-up de viagens Americana denominada Pintrips, e de um diretório móvel de localização Britânico denominado Free118. Este último utilizou a palavra "pimmydeal" para um dos seus serviços.

Tanto o tribunal Americano, como o Britânico determinaram que a palavra "pin" é demasiado genérica para ser registada, e, como tal, o uso exclusivo desta, pela Pinterest, não pode ser protegido.

O Tribunal Americano afirmou que "a Pinterest não pode proibir as outras empresas de utilizarem o termo pin para descrever aquela conhecida operação, que é justamente a forma de a evidência demonstrar a utilização do termo pin, pela Pintrips, aqui ". O Tribunal referiu também que as marcas "Pintrips" e "Pin", utilizadas pela Pintrips, não violaram as marcas registadas "Pin" e" Pinterest" da Pinterest.

A Pinterest recusou-se a comentar o caso da Free118, no Reino Unido. Mas, de acordo com a Tech Crunch, não há planos para recorrer da decisão tomada pelo Instituto de Marcas. Por outro lado, a Pintrips declarou que "o processo confirma que qualquer empresa pode utilizar o termo "pin" no seu sentido comum, e impede que uma grande empresa, com ativos significativos, assuma o controlo de uma palavra frequentemente utilizada e que faz parte da nossa cultura cotidiana".


O texto original desta noticia foi escrito em Inglês.

Anterior Próxima